Tecnologia: uma aliada para um novo jeito de viver

9 minutos para ler

O Vamos Subir, startup social que ajuda jovens no início de carreira a ter sucesso a partir de sua mudança comportamental, realizou live no último dia 14 de outubro de 2020 com Federico Grosso, Presidente da Adobe na América Latina.

Vale a pena você conferir esse conteúdo que vai ajudar você a abraçar uma nova forma de ser, de viver e acelerar sua carreira!

Confira!

Inicialmente, Frederico Grosso estudou ciências políticas. Seu primeiro trabalho após cursar a faculdade foi no Yahoo, por 8 anos. Ele morou fora do Brasil, como Londres, França, Turquia etc.

Hoje, ele é presidente na Adobe aqui da América Latina, que tem hoje 22 mil funcionários no mundo.

A live foi intermediada por Flávio Valiati, fundador da Vamos Subir.

Sua evolução de carreira ocorreu muito numa startup em Londres, porque ele tinha um cargo global, onde foi atuar na área de conteúdo, área comercial e distribuição na Europa e Brasil. Isso foi um aprendizado muito grande.

Ele tem uma crença em relação à liderança, não importa o quanto a pessoa é jovem, mas é preciso exercê-la. E, muitas vezes, é preciso começar do pequeno. É quando você ganha experiência e horas de voo.

Ele frisou sobre a sorte, claro que é preciso estar pronto, mas para ele, em muitos momentos, ela ajuda.

Ele teve a oportunidade de trabalhar em empresas de tecnologia, uma delas foi na HP por 5 anos. Em seguida, teve o convite para liderar a Adobe, uma empresa grande, criativa e moderna.

Na Adobe ele sente que tem uma cultura muito humana, e isso o deixa orgulhoso.

Na prática o que é uma boa cultura, como se constrói uma cultura dessas?

Para os fundadores da Adobe, boas ideias podiam vir  de qualquer área da empresa, isso na época era uma crença muito forte.

É preciso também ter uma atenção grande aos funcionários e contratar pessoas que se parecem com a cultura.

E, cuidar dos funcionários, os primeiros clientes.

A Adobe geralmente está entre as 10 empresas melhores para se trabalhar, justamente por cuidar tão bem de seus funcionários.

Depois disso, treinar, principalmente, os líderes para fazer com que os valores se propaguem.

Fundamentalmente, quando as pessoas querem de verdade colaborar, e a cultura ajuda nisso, o resultado é muito grande.

A Adobe se preocupa ainda em como as pessoas estão trabalhando em casa após a pandemia, como estão se ajeitando, por exemplo, se a internet não funciona, ou se há uma cadeira ergonômica etc. A empresa oferece um subsídio para isso!

A empresa (Adobe) olha muito a longo prazo, e considera que na empresa existe também para influenciar mercados e consumidores.

Para ele, faz da Adobe uma empresa diferente.

Como você se capacita melhor para os desafios que você tem?

No passado, o chefe precisava entender de tudo, saber tudo, ser o melhor em tudo, mas isso passou.

Atualmente, é importante contratar os melhores talentos do mercado, pessoas que venham para agregar e que saibam mais que você.

Isso é bom e tira o peso de você. Outra coisa: é muito bom aprender com os colaboradores, o nível de aprendizado é muito grande quando estamos abertos para ouvir qualquer um.

Se você tem a visão de aprender sempre, isso é muito importante para todos, mas para um líder isso é fundamental. Para ele, acontece na internet em 7 meses, o que não aconteceu em 25 anos.

E, por isso, com tantas mudanças ele se sente às vezes até perdido.

Flávio complementa dizendo, resumidamente: “é preciso contratar boas pessoas e estar se atualizando constantemente, lendo e estudando. O mais importante é o que você está fazendo hoje para se qualificar”.

Federico alerta que hoje o conhecimento está difundido e você pode aprender de graça, sem precisar de um professor. Antes você aprendia algo e usava isso por muitos anos, hoje, é diferente é preciso aprender a todo momento, inclusive dentro das empresas e logo o conhecimento é obsoleto.

Como filtrar as informações, como selecionar o que é relevante e como você faz isso?

Se pergunte o que te deixa energizado? O que te instiga? De que você gosta? Se você gosta de varejo ou bancos, por exemplo, foque nisso!

Passe seu tempo usufruindo, pesquisando sobre isso. Tente buscar um equilíbrio. Se você trabalha com pessoas que têm valores e propósitos parecidos, isso é muito legal.

Qual sua visão do novo normal? O que você enxerga de futuro, carreira e profissão de agora para frente?

Ele acredita que a pandemia tem acelerado uma série de fenômenos sociais, tecnológicos, políticos etc. Coisas que teriam acontecido em tempo maior, mas aconteceram muito rapidamente.

A digitalização das empresas, por exemplo, é algo que Adobe vem falando há tempo, mas ultimamente isso se acelerou.

Todos os hábitos digitais que queríamos não tínhamos antes, viraram parte de nosso dia a dia. E aqueles que são mais eficientes vão ficar e os que não são, não vão.

Nós como seres humanos, também somos animais sociais e isso sempre será uma força que vai guiar nosso comportamento no futuro.

Com a pandemia, a primeira coisa que ocorreu foi as pessoas se juntando. Com certeza, não podemos esquecer o elemento social e as conexões.

Como usar as tecnologias ao nosso favor, maximizar elas e não ao contrário?

Para Federico, a tecnologia sempre tem sido nossa aliada e você precisa estabelecer uma relação com elas.

Você pode gerenciar algumas tecnologias, fazendo um equilíbrio entre tudo que a tecnologia oferece, seja, na forma de fazer as tarefas mais chatas, navegar, se comunicar etc. A tecnologia continua ganhando, então, temos que aprender a ter uma relação mais saudável com a tecnologia.

Empresário alegre, aproveitando o sucesso

O que você tem ensinado para seus filhos sobre carreira e que você pode nos aconselhar?

Duas coisas para mim são importantes. Primeiro, eu busco aprender com eles todo dia.

Eu tento ter ainda ter um ambiente que deixa eles mais crianças e tento dar muito amor a eles. Assim, você consegue se conectar muito mais com eles. E, você precisa curtir tudo isso.

Quais os principais desafios que você enfrentou e como superou? Qual mensagem passar para os jovens que acham que não são capazes de superar?

Eu trabalho num ambiente comercial que é desafiador por natureza e aprendi que nunca somos tão bons ou tão ruins como pensamos.

Sabendo disso, você ganha a capacidade de continuar.

“Se tem uma coisa que é bem forte em mim é a resiliência”, não parar, mas continuar e ver que o desafio existe para te ensinar alguma coisa.

Ele teve um problema de saúde grave e isso o ensinou o valor da gratidão; “passei a ter mais coragem resiliência”.

E, com certeza, os melhores líderes não são os mais inteligentes, nem os mais preparados, nem que estudaram nas melhores escolhas, mas são líderes que quando veem obstáculos, eles se energizam, se animam para resolver.

A capacidade de ter compaixão de se mover, fazer algo para levantar outras pessoas, isso é também fundamental. As pessoas que conseguem levantar os outros têm um grande diferencial.

Para Flávio, as pessoas que vão mais longe e que se desenvolvem e deixam um legado mais positivo, uma marca no mundo, são as pessoas que deixam de olhar um pouco para si e olha para as necessidades dos outros.

Quais as profissões mais promissoras para os próximos anos?

Acredita-se que aquilo que tenha haver com a criatividade. Isso tem a ver com design thinking, pensamentos mais estratégicos e fora da caixa etc. É isso que prometem mais.

É difícil mapear com exatidão. “O futuro não é predestinado, a gente constrói esse futuro”.

Você tem que se perguntar onde quer entrar e quais são as coisas que precisa aprender. Então, se preocupe menos no futuro, mas em entrar para trabalhar em algo, numa empresa que gosto que me agrega.

Flávio complementa sobre a necessidade em saber trabalhar com as tecnologias para potencializar suas capacidades, isso para o futuro é primordial.

Qual o diferencial para uma pessoa conseguir passar numa entrevista na Adobe?

Isso é um processo longo, envolve uma seleção mais longa.

Mas envolve duas características: o conhecimento técnico e a segunda característica é a capacidade da pessoa conseguir trabalhar em ambiente colaborativo.

Outra questão: é a resiliência, por exemplo, questione quais os obstáculos foram superados pela pessoa, o que a vida trouxe a ela e se ela se saiu bem?

No começo da carreira, se você tem a chance de entrar na empresa, mesmo em outro cargo, abrace a oportunidade.

Outro ponto que ajuda muito é aprender novos idiomas, isso é fundamental, pois cada novo idioma é uma possibilidade a mais na sua carreira.

Flávio acrescenta sobre a capacidade da pessoa de focar em networking, por exemplo, se a pessoa quer trabalhar na Adobe, tente criar uma rede genuína de relacionamento pessoas, com pessoas que podem impulsionar sua entrada na empresa (como colaboradores dela).

Como a adobe se posiciona sobre cargos de liderança para mulheres?

Uma das questões que faltava na Adobe era a questão da diversidade, e, hoje, “estou orgulhoso porque a liderança feminina no time é grande e visível”.

São líderes mulheres maravilhosas e com quem se aprende todo dia. Não há inovação sem diversidade, pois se você tem todo mundo pensando da mesma forma, você não vai inovar e construir uma empresa do futuro.

As boas ideias vêm de todo lugar, de dentro da empresa e de pessoas que são diferentes umas das outras. A Adobe fomenta muito nisso e acredita nesse conceito.

Concluindo

Neste conteúdo, você conferiu um resumo de uma live feita com Frederico Grosso, presidente da Adobe na América Latina.

Ele compartilhou sua trajetória de início de carreira, atuando em várias empresas e dentro da empresa Adobe, além de insights sobre profissões do futuro, diversidade, necessidade de aprendizado contínuo, carreira, resiliência, cultura organizacional evolução digital, competências profissionais e criatividade.

Assista o vídeo na integra para melhor assimilação desse conteúdo e avance em sua carreira, acesse bit.ly/LiveVS-Federico-Grosso.

Até o próximo conteúdo!

Você também pode gostar

Deixe um comentário