De estagiário a CEO: o brasileiro à frente da multinacional Schneider Electric no Brasil

De estagiário a CEO
7 minutos para ler

A Vamos Subir, startup social que ajuda jovens no início de carreira a ter sucesso diante uma mudança comportamental, realizou live no último dia 23 do mês de julho de 2020 Marcos Matias, presidente da Schneider Electric no Brasil.

Vale a pena você conferir esse conteúdo que resume o que foi abordado na live. Acelere sua carreira!

Então confira!

Marcos Matias, presidente da Schneider Electric no Brasil, compartilhou nessa live sua visão pessoal sobre sua jornada dentro dessa empresa, onde começou como estagiário e tirando xerox, e nos passou muitos insights sobre desenvolvimento pessoal, habilidades pessoais diferenciadoras, dentre outras.

Ele começou sua fala na live dizendo que está na empresa há 27 anos, e que dá gosto está na empresa Schneider Electric porque ela dá autonomia ao colaborador de atuar como dono da empresa.

Um segundo ponto favorável, para ele, é sobre a empresa ser muito aberta, que busca sempre a inovação e acompanha a transformação digital.

E para ele, desde 15 anos atrás, já havia sido falado que a eficiência energética e sustentabilidade seriam áreas muitos promissoras e capaz de entregar um mundo melhor às gerações futuras. Ele fala que esses pilares foram colocados no DNA da empresa.

E assim, a empresa também começou a investir em softwares, pois a eficiência pode vir de várias fontes, e que hoje, a empresa é líder na eficiência energética, automação e transformação digital, e isso, segundo um olhar sobre o ecossistema, e sempre com foco nos clientes.

Vamos ver a seguir algumas respostas para algumas perguntas feitas para Matias.

Com ser manter motivado por muito tempo numa empresa?

Para ele, é importante o colaborador ter valores básicos que coincidem com os da empresa. Mas que alguns valores são construídos conforme a experiência de cada um nas empresas.

Um fator muito importante também é a pessoa sentir se sentir bem na empresa, se sentir satisfeito e com o coração batendo ali naquele espaço.

E que a companhia onde ele trabalha não é a mesma, pois ela acompanha as várias transformações que ocorrem todos os dias nos mercados, e isso, o manteve por tanto tempo motivado e trabalhando na empresa até hoje. E, assim a empresa provou a ele que ficar ali valia a pena.

Flavio Valiati, fundador do Vamos Subir, participante ativo da live, disse que é importante a pessoa sentir na empresa em que trabalha, o brilho nos olhos, a paixão e o coração batendo por algo.

Se não existe isso, é preciso rever tudo, pois, às vezes, falta uma liderança ou é hora de fazer um movimento.

Para Flávio, é preciso ter o brilho nos olhos para estar numa empresa diariamente.

Matias chama a atenção para o controle da ansiedade por parte da pessoa, o que é difícil, mas é preciso. Na carreira, há decepções e descontentamentos, o que faz parte.

Assim, se a pessoa não conseguiu adesão para sua ideia, por exemplo, é preciso controlar a ansiedade e colaborar com o projeto aprovado (do outro), dando sua contribuição, mostrando seu valor.

Para quem quer ser presidente/CEO de uma empresa, o que é preciso?

Para ele, é importante mostrar abertura no relacionamento com toda a equipe, é “navegar” juntos com todos nos desafios diários. Por exemplo, ele implementou o home-office na Schneider Electric, mas pensava que não precisava fazer o mesmo, mas acabou compreendendo que era preciso.

E para ser presidente é preciso decidir e correr riscos, e o resultado você só vislumbra com o decorrer do tempo. E, o resultado é algo que se constrói com o tempo.

Um presidente erra e acerta, mas é preciso se esforçar para acertar mais. E isso, é o que ele deseja ver nos empresários: mais acertos!

Às vezes, também, em certas ocasiões e decisões, é necessário “virar a página” e continuar na página seguinte, ou seja, seria deixar de lado um projeto que não deu certo ou aceitar um não etc.

O profissional do futuro: qual a competência mais necessária?

Para Matias é preciso algumas características no mundo dos negócios, como ter bons relacionamentos, inteligência emocional e empatia, e os robôs, por exemplo e por enquanto, não geram empatia.

Por isso, a tendência é haver mais modernização tecnológica, mas isso demanda também mais trabalho intelectual e a nível de relacionamentos humanos. E, em algumas situações, somente o ser humano consegue tomar frente, e só depois, ele pode encaminhar isso a um robô.

Potencializando, portanto, somente aquilo que é próprio do ser humano. O qual é claro, tem seu valor e vai continuar tendo mesmo diante as transformações que estão ocorrendo.

E para Matias, no mundo dos negócios, se surgir uma oportunidade, geralmente isso ocorre em “cinco minutos”, é preciso ter expertise e agarrar ela, não deixe passar de forma alguma.

E, como minimizar o risco de não perder essa oportunidade? Para Flávio Valiati, é ter o mindset de agregar valor para todos e a todo momento, além de ter empatia. Pois nem sempre é possível identificar que horas ocorrerá esses cinco minutos.

Qual sua maior dificuldade em sua trajetória profissional?

Matias diz que tinha recebido uma oportunidade de ser diretor do Brasil, algo muito desafiador na época e foi preciso fazer um acompanhamento com um coach e com uma psicóloga, o que o ajudou a superar suas dificuldades nesse momento de transição em sua vida profissional.

Daí ele frisa sobre o valor do trabalho desses profissionais.

Para ser reconhecido numa empresa, o que é importante?

Se você não está sendo reconhecido numa empresa, na sua experiência, comece a se perguntar: como eu posso parar um pouco de pensar nos meus resultados e agregar no resultado do outro? Como posso ajudar o outro a conquistar seus resultados?

Essa iniciativa é muito importante, principalmente quando a linha é a diversidade organizacional. Então, não espere sua liderança lhe dizer “faça isso”.

Segundo Matias, houve momentos na trajetória dele na empresa, no  começo, que ele teve oportunidade de olhar projetos de outras pessoas, e com sua iniciativa, ele conseguiu agregar valor, sugerindo formas de fazer o trabalho com muito mais eficiência, o que gerou em maior produtividade.

E isso, fez com que todos na empresa o olhassem de forma diferente, o que o impulsionou dentro da empresa para o cargo que tem hoje.

Mas para isso, ele salienta que é preciso ser humilde e se mostrar empático em todo o processo.

Como construir um networking numa empresa?

Hoje, há ferramentas poderosas a nossa disposição. É preciso usá-las efetivamente, tais como: o LinkedIn, o Facebook, o Instagram…

É preciso entrar nessas comunidades ou grupos nas redes socias e participar dos assuntos, que sejam assuntos que você goste ou não, uma vez que isso lhe traz oportunidades de aprendizagem. Isso traz para o profissional visibilidade e muito networking.

Para Valiati, é legal que o profissional ou o jovem “ative sua bandeira”, faça por exemplo, um trabalho voluntário; busque se conectar mais com as pessoas; fazendo mais contatos ou pedindo conselhos, e assim, você se expõe mais, algo bom! E, gera ainda valor para as pessoas.

Para Valiati, essas novas formas de interação social nos trazem muitas oportunidades positivas, e por isso, é preciso que sejam feitas.

Concluindo

Neste conteúdo você conferiu um resumo de uma live feita com Marcos Matias, presidente da Schneider Electric no Brasil, que compartilhou sua trajetória dentro da empresa, além de insights sobre iniciativa e carreira, transformação digital, competências e desenvolvimento pessoal.

Assista o vídeo na integra para melhor assimilação desse conteúdo e avance em sua carreira, acesse http://bit.ly/LiveVS-Marcos-Matias

Até o próximo conteúdo!

Você também pode gostar

Deixe um comentário